domingo, 19 de abril de 2020

‘VErso e REverso da obra de arte’ | Retábulo do Corpo de Deus | 19 de Abril de 2020

Numa altura em que velhos ódios religiosos voltam a reacender-se, torna-se importante recordar o massacre de Lisboa de 1506. Tudo começou no Convento de S. Domingos, a 19 de abril de 1506. A peste assolava a capital desde outubro do ano anterior, situação dramaticamente ampliada pela seca e pela fome. A igreja de São Domingos estava repleta de cristãos – velhos e novos – esperando um sinal divino que acudisse àqueles desesperados. Um milagre terá ocorrido: uma luz brilhou, incandescente, no crucifixo da capela da Igreja. Todos viram. Todos rejubilaram, menos um cristão-novo que ousou duvidar da natureza divina da luz. No seu entendimento, a luz provinha de uma das muitas candeias acesas naquele convento. Mal proferiu semelhante blasfémia, o povo caiu sobre ele, arrastou-o para a rua e agrediu-o barbaramente até cair inanimado.
Ato contínuo, um clima de intolerância cresceu e espalhou-se pelas ruas de Lisboa. Os cristãos procuravam e perseguiam os antigos judeus, forçando a entrada nas suas casas, capturando aqueles que se haviam recolhido nas igrejas, carregando mortos e vivos para as fogueiras que se acendiam na capital. Foram três dias de terror, pilhagem e carnificina, de que resultariam, de acordo com os cronistas da época, entre dois e quatro mil mortos.
Ainda que seja de uma época anterior e tenha acontecido numa circunstância diversa, o Retábulo do Corpo de Deus, do século XV, (MNMC4023), é uma peça do Museu que recorda um episódio de heresia cometido por um judeu conimbricense contra a partícula sagrada de Cristo, e que apresentamos hoje no #versoREverso da obra de arte, com a poesia de Isabel Pires na voz de Luís Moura Ramos.

‘Diante do Retábulo do Corpus Christi’

Na minha primeira comunhão,
quando a hóstia passou pela garganta,
foi assim.
Quando desci a nave, deslizaram por mim
uns feios azulejos na parede.
Não havia anjos com asas vermelhas e azuis,
não havia retábulo. Foi apenas
um dia luminoso de menina.
Na minha primeira comunhão
não tinha asas. Só tive de as inventar
quando deixei a infância.

Isabel Pires


Retábulo do Corpo de Deus, do século XV, (MNMC4023) | Vídeo

Retábulo do Corpo de Deus
Séc. XV
112 x 95 x 30 cm
MNMC 4023




Sem comentários:

Publicar um comentário