sexta-feira, 17 de julho de 2020

NO DIA DE HOJE…

Comemora-se o Dia Mundial da Justiça Internacional.
Também conhecido como Dia Internacional da Justiça ou Dia Internacional da Justiça Criminal, no intuito de se relembrar a importância dos tribunais no respeito pelos direitos humanos e pela igualdade dos direitos internacionais e civis em todo o mundo.
A data foi escolhida em virtude de ter sido a 17 de julho de 1998 que se adotou o Estatuto de Roma – um tratado que estabeleceu o Tribunal Penal Internacional com o objetivo de julgar sujeitos individuais pela prática dos mais graves crimes internacionais: genocídio, crimes contra a Humanidade, crimes de guerra; e, mais recentemente, com efeito a partir de 17 de julho de 2018, atua também sobre os crimes de agressão.
Assinalamos este dia com a representação da escultura em calcário, em tamanho natural, da figura alegórica das Leis ou Justiça (MNMC1082), do século XVIII, concebida por Claude Laprade.
Trata-se de uma figura feminina, com traje decorado na frente com motivos vegetalistas, sob largo manto. Segura os símbolos da Justiça - a espada na mão direita e a balança na mão esquerda. Apresenta-se descalça, com a perna esquerda mais elevada, assentando sobre livros.
De origem francesa, Claude Laprade (c.1675-1738) é considerado o principal escultor estrangeiro que trabalhou em Coimbra, após o período da Renascença, ajudando a introduzir a escultura barroca em Portugal.
No âmbito da Reforma da Universidade de Coimbra, Laprade colaborou no programa arquitetónico e escultórico (1700-1702), realizando o ostentoso frontão armoriado da Via Latina, as sobreportas das Salas de aula dos Gerais Universitários e as estátuas alegóricas das faculdades pertencentes a este Museu.



[comRESERVAS]

Nesta rúbrica, que divulgamos todas as sextas-feiras, destacamos os ‘invisíveis’ do MNMC - obras em reserva ou trabalho quase oculto, apresentado na primeira pessoa pela equipa que estuda e cuida do Museu.
HOJE, a conservadora Virgínia Gomes leva-nos à reserva de pintura dando-nos a conhecer a ‘Senhora do Lorgnon’ (MNMC3050), uma pintura a óleo sobre madeira de Columbano Bordalo Pinheiro, cuja datação, embora não consensual, se fixa em 1884.
Considerado pela crítica o mais qualificado pintor português entre os séculos XIX e XX, Bordalo Pinheiro terá concebido esta obra após a sua estada em Paris (1881-1883), onde conviveu com Henrique Pousão, Silva Porto, entre outros elementos pertencentes ao ‘Grupo do Leão’.
Esta pintura foi incorporada nas coleções do Museu por doação de Teixeira de Carvalho, em 1917.

Boa visita!


'O Contador'

'O Contador' é um espetáculo de narração ao ar livre protagonizado por Tiago Duarte, que 'viaja' pelos contos de Charles Perrault, Hans Christian Andersen, Irmãos Grimm até aos contos tradicionais portugueses.

Inscrição: 964 090 165 | Estação das Letras
 
O espetáculo cumpre as normas de proteção e segurança da Direção-Geral da Saúde e Direção-Geral do Património Cultural. Uso recomendado de máscara.


'Contos, mitos e lendas de Coimbra'

'Contos, mitos e lendas de Coimbra' com Sofia Souto Moniz e momento musical por Alex Lima
 
Mediante inscrição: recortarpalavras@gmail.com
 
Esperamos por si!